CASA CONTÊINER RD

A Casa Contêiner nasce da intimidade do seu proprietário com estruturas metálicas: metalúrgico de profissão, sonhava em atuar na construção da própria casa, junto de sua equipe, colocando em prática soluções industriais em um contexto de obras convencionais. A ideia de reutilizar e ressignificar contêineres marítimos, que são estruturas prontas e altamente resistentes, foi direto ao encontro da vontade do escritório de arquitetura em desenvolver um projeto instigador. Outro grande fator importante, que norteou a escolha da materialidade, foi a otimização da obra, tanto em tempo quanto em facilidade de processos de montagem, diferenciando-se bastante da tradicional alvenaria e concreto armado.

A princípio, a utilização de contêineres em construções acontece em proposições bem racionais, um ao lado do outro ou empilhados, devido a facilidade do manuseio destes módulos. Porém, foi pensando justamente no grande potencial estrutural que cada contêiner possui, que o conceito formal da Casa Contêiner foi gerado: estruturas empilhadas, mas giradas, promovendo grandes balanços e momentos inusitados. A inspiração aconteceu, durante uma pesquisa, ao ver uma imagem emblemática de um grande navio, repleto de contêineres, todos empilhados de forma desordenada.

A casa se situa em um cerro de Porto Alegre, uma das cotas mais altas da cidade. A paisagem se descortina através das grandes esquadrias do living na direção de uma área de preservação próxima ao lote, no volume em balanço e rotacionado da suíte master mira o rio Guaíba e seu pôr do sol inesquecível. Estes módulos desencontrados proporcionam diferentes ângulos da paisagem.

Além dos aspectos da orientação e localização, o terreno em questão possui medidas mais generosas que as comumente encontradas em lotes urbanos. Seu formato permite que todos estes movimentos de giro aconteçam de forma que a implantação da casa não se aproxima tanto das divisas dos lindeiros. Ela está afastada de forma confortável, mantendo a intimidade da família apesar de tantas aberturas para o exterior que proporcionam ventilação cruzada em vários momentos.

O terreno também possui um aclive acentuado, configurando um pavimento semienterrado, onde localiza-se a garagem/oficina. Este volume, devido ao contato com o solo, foi feito em estrutura de concreto pé moldado, mantendo o padrão e logica industrial da construção.

Nas fachadas, optou-se em tirar partido da estética do próprio contêiner, mantendo a estrutura metálica aparente. Inclusive a porta de entrada principal da residência é feita com as duas portas originais dos módulos. Internamente, para garantir a qualidade termo acústica, as paredes e forros foram revestidos com gesso acartonado, enquanto piso, após o nivelamento com placas de OSB e camada regularizadora, receberam piso vinílico. Algumas paredes internas revelam a estrutura crua, mantendo e lembrando que a inusitada casa, construída a muitas mãos, é uma grande torre de contêineres sobrepostos.

 

  • ÁREA : 350m²
  • ANO : 2018
  • STATUS : Obra concluída